fbpx

Assédio sexual no transporte

Observatório de Gênero
9 de março de 2018
Sistema de Bilhetagem
15 de março de 2018

Assunto é alvo de grande preocupação em quase todas as cidades do país. Algumas lançaram iniciativas de prevenção à prática. 

No mês de março, os assuntos relacionados às mulheres têm preenchido a agenda dos estados, todos os anos. Na última quinta-feira, 8/3, Dia Internacional da Mulher, várias iniciativas foram divulgadas na imprensa. Uma delas, a da Prefeitura de Guarulhos, Grande São Paulo, lançou uma nova função no aplicativo de ônibus já usado pelos passageiros para ajudar mulheres que sofrem de assédio sexual dentro do transporte público

Estatísticas

O assunto, velho conhecido das mulheres que dependem do transporte público no país, ganhou vulto maior no ano passado, com a libertação de um agressor um dia depois de ejacular em uma passageira dentro de um ônibus na Avenida Paulista. O juiz do caso afirmou na sentença que não viu possibilidade de enquadrar o caso como estrupo por não ter havido “constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça” no caso. O agressor, no entanto, já havia sido indiciado por estupro e possui histórico de sucessivos crimes sexuais.

Em São Paulo, a maior metrópole do país, uma em cada quatro mulheres já foi vítima de assédio sexual no transporte coletivo. O problema de assédio se repete em todos os estados do país (confira a matéria completa aqui). No Rio Grande do Norte, por exemplo, uma pesquisa recente confirma que 60% das mulheres já sofreram assédio sexual no transporte público (confira mais aqui). Aqui no DF, o registro de casos teve um crescimento de 40% em 2017. Em 2016, foram feitas 186 ocorrências de assédio sexual enquanto que no ano passado foram registrados 301 casos.

Ação no DF

A Secretaria de Mobilidade (Semob) também anunciou uma campanha contra a violência de gênero e abuso nos transportes públicos, no Dia Internacional da Mulher. Segundo o responsável pela pasta, Fábio Ney Damasceno, cerca de 3 mil motoristas e cobradores de ônibus passarão por um curso de capacitação com o objetivo de auxiliar mulheres vítimas de abuso dentro dos coletivos. “São 1,2 milhão de viagens, 600 mil pessoas, sendo mais de 300 mil mulheres. Ou seja, é preciso cuidado e preparo”, afirmou o secretário.

A ação será feita em conjunto com a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, que vai expandir a campanha nos ônibus pelo país. O curso para os trabalhadores ainda está em fase de preparo e deve começar em junho deste ano. “É uma campanha de prevenção, principalmente, mas haverá possibilidade de denúncia também. O transporte público precisa ser visto como um espaço democrático e de respeito”, explicou o presidente executivo, Otávio Cunha. (Com auxílio de Informações do Correio Braziliense)

Foto: Dênio Simões/Agência Brasília 

 

%d blogueiros gostam disto: